Antigo Testamento

Novo Testamento

PERSONAGENS ANÔNIMOS

Artigos E Curiosidades

Baal-Peor, O deus dos pecados sexuais

quarta-feira, 1 de junho de 2016

Texto Áureo: 1 Coríntios 6.18

Verdade Prática: Não nos enganemos! O mesmo Deus que puniu os adoradores de Baal-Peor continua a reivindicar santidade e pureza de cada um de seus filhos.

Leitura Bíblica: Números 25.1-3,9; Apocalipse 2.14-17
INTRODUÇÃO
O pastor John MacArthur afirmou certa vez que “Deus julga o seu próprio povo antes de voltar sua ira aos pagãos”. Esta verdade, que muitos cristãos hoje preferem ignorar, cumpriu-se numa trágica etapa da peregrinação de Israel rumo à Terra Prometida.
Refiro-me ao episódio de Baal-Peor. Os varões hebreus, seduzidos pelas moabitas, não somente prostituiram-se com estas, como também acabaram por adorar a horrenda divindade daquele povo pagão.
O julgamento divino não tardou. Vinte e quatro mil israelitas são exterminados pelo Deus que não pode aturar a impureza entre os seus filhos. Não pense que o culto a Baal-Peor ficou no passado. Muitos crentes, sem o saberem, estão convivendo com essa abominação.
I.                   BAAL-PEOR – O DEUS DA SENSUALIDADE
1.      Quem era Baal: Era o deus supremo dos cananeus. Em hebraico, Baal significa senhor. Seus adoradores acreditavam fosse o ídolo o responsável pela abundância da terra e pela fertilidade do ventre.
Em Peor, região de Moabe, havia uma versão local dessa divindade, que era adorada conjuntamente por moabitas e midianitas. Foi nessa localidade de Sitim, bem defronte de Jericó, que Israel rompeu a aliança com o seu Deus, pondo-se a cultuar a Baal.
2.      Como Baal era adorado: Sendo o deus da fertilidade, seu culto era marcado pela crueldade e por uma devassidão que envergonharia até Sodoma e Gomorra. Em suas cerimônias havia: 1) sacrifícios de vítimas humanas; 2) orgias e os mais inimagináveis desregramentos; 3) e, logicamente louvores a Baal.
II.                A IDOLATRIA E A PROSTITUIÇÃO DE ISRAEL
A história é bastante conhecida. O rei Balaque, de Moabe, contratara Balão para amaldiçoar a Israel. Todavia, o profeta sabia muito bem que jamais poderia amaldiçoar um povo a quem o Senhor cobrira de bênçãos. A fim de não perder os prêmios e os favores do monarca, o profeta desviado mostrou-lhe que só havia um meio de levar Israel ao anátema.
Desse episódio, temos a concluir duas coisas básicas: 1) Nem maldição, nem trabalho de macumba, tem qualquer poder sobre o povo de Deus; No entanto, se nos deixarmos contaminar pelo pecado, estaremos completamente expostos; o próprio Deus nos amaldiçoará. Foi o que aconteceu a Israel.
1.       A prostituição de Israel: Conforme podemos inferir de Ap 2.14-17, Balaão sugeriu ao rei moabita espalhar, por todo o arraial hebreu, mulheres desavergonhadas, e que estas levassem os israelitas à prostituição.
2.      A idolatria de Israel: Da prostituição à idolatria bastou apenas um passo. Dentro em pouco, lá estavam os adoradores do Único e Verdadeiro Deus saboreando as iguarias oferecidas a Baal-Peor, e a este tributando honras e louvores. O autor sagrado assim registra o desregramento dos filhos de Israel: “E Israel deteve-se em Sitim, e o povo começou a prostituir-se com as filhas dos moabitas. Estas convidaram o povo aos sacrifícios dos seus deuses; e o povo comeu e inclinou-se aos seus deuses” (Nm 25.1,2).
3.      A maldição sobre os filhos de Israel: Deus não se deixa escarnecer (Gl 6.8). Ele envia uma praga tão virulenta entre o povo que, num único dia, morreram 23 mil pessoas (1 Co 10.8). De Nm 25.9, conclui-se terem perecido ao todo 24 mil israelitas.
III.             A DOUTRINA DE BALAÃO
Não imagine ter a doutrina de Balaão se limitado àquele período da história de Israel. Esse ensinamento foi encontrado na igreja de Pérgamo, e em nossos dias continua a fazer os seus adeptos (Ap 2.14).
Vejamos algumas características dessa maldita teologia:
1.      O pai da doutrina: Não obstante o seu o seu dom profético, Balaão era um obreiro ganancioso e fraudulento; para aumentar seus lucros estava disposto a tudo (2 Pe 2.15). E foi visando o prêmio de Balaque, que ele lhe ensinou a colocar tropeços diante dos filhos de Israel.
2.      A doutrina de Balaão: A teologia de Balaão consiste em levar os filhos de Deus à idolatria e à fornicação (Nm 31.15,16).
IV.             O MODERNO CULTO A BAAL
O velho Baal continua o mesmo; tudo faz por induzir os santos à impureza. Seus profetas e adoradores também não mudaram. Vejamos, a seguir, como os seus cultos manifestam-se em nossos dias:
1.      Pornografia: Não são poucos os filhos de Deus que se acham arruinados espiritualmente em consequência de r revistas, filmes e vídeos pornográficos. O Senhor não atura tais coisas; são abomináveis aos seus olhos. Ele é o Santo! E de seus filhos exige vida santa e irrepreensível (Ex 19.6).
É chegada a hora de remirmos o nosso tempo. Ao invés de o desperdiçarmos com filmes e programas permissivos, que tal passarmos mais tempo orando e estudando a Palavra de Deus? Este tem de ser o nosso compromisso: “Não porei coisa má diante dos meus olhos; aborreço s ações daqueles que se desviam; nada se me pegará” (Sl 101.3). Leia Jó 31.1.
2.      Diversões carnais: Não são poucas as diversões que, à semelhança de Baal-Peor, só trazem maldição e dolorosa consequências. Não podemos esquecer-nos dos filhos de Eli que, sob a cobertura do ministério paterno, pecaram e levavam o povo a pecar até que Deus os matou (1 Sm 2.22).
Infelizmente, somos obrigados a mencionar os shows promovidos em nossos púlpitos. Cantores e artistas, dizendo-se evangélicos, mas flagrantemente divorciados da graça de Deus, além de nos roubarem todo o tempo da Palavra, arrastam nossos jovens a uma vida leviana e descompromissada com Deus. A Igreja do Senhor não necessita de artistas e animadores em seus cultos, mas de homens, mulheres, jovens e crianças comprovadamente santos. Cheios do Espírito Santo, hão de adorar ao pai em espírito e em verdade (Jo 4.23,24).
3.      Namoros permissivos: Embora estejamos no terceiro milênio, os padrões bíblicos não mudaram. A Palavra de Deus exige santidade e pureza de cada um de seus filhos. Isto significa que o namoro cristão tem de primar pela decência, recato e moderação. Requer-se que os jovens cheguem virgens, e castos ao casamento. Pureza na alma e pureza no corpo.
Que tenham eles uma vida pura e santa: o Senhor haverá de julgar os fornicários e os que se prostituem (Ap 21.8).
4.      Roupas indecentes e lascivas: Deus exige sejam aas vestes de seus filhos modestas e descendentes (1 Tm 2.9). Ensinemos aos nossos jovens que o seu corpo é o templo do Espírito Santo. Tenhamos a necessária coragem de mostrar-lhes que as modas lascivas e sensuais são contrárias ao padrão que a Palavra de Deus nos prescreve.
Cuidado! Deus não mudou. Continua a exigir santidade e pureza de todos os seus filhos. Lembremo-nos da advertência do salmista: “Mui fiéis são os teus testemunhos: a santidade convém à tua casa, Senhor, para sempre” (Sl 93.5).
5.      Infidelidade conjugal: Numa sociedade permissiva e erotizada como a nossa, o adultério não visto mais como algo reprovável. É toleravelmente aceito; é socialmente incentivado; é legalmente ignorado.
A Bíblia não mudou! Adultério é adultério. Pecado é pecado. Ainda que busquemos justificativas teológicas a tais comportamentos, a verdade bíblica não será alterada (Ex 20.14; Mt 5.28).
6.      Fantasias sexuais: Jó foi um homem que, apesar de todas as adversidades que se abateram sobre si, perseverou a sua integridade. O seu coração não era apenas puro; era casto e inculpável. Veja o que diz ele: “Fiz concerto com os meus olhos; como, pois, os fixaria numa virgem?” (Jó 31.1). O patriarca não alimentava qualquer pensamento lascivo ou adúltero. Ele não se dava às fantasias sexuais que, na Palavra de Deus, recebem outros nomes: adultério, concupiscência dos olhos, impureza (1 Jo 2.16; 2 Pe 2.14).
CONCLUSÃO
Baal-Peor é uma coisa vergonhosa (Os 9.10). os que participam de seu culto perecerão: “Os vossos olhos têm visto o que o Senhor fez por causa de Baal-Peor; pois a todo homem que seguiu a Baal-Peor o Senhor, teu Deus, consumiu do meio de ti” (Dt 4.3).
A Bíblia é clara quanto às suas reivindicações: “Porque esta é a vontade de Deus, a vossa santificação: que vos abstenhais da prostituição” (1 Ts 4.3). O apóstolo ainda recomenda: “Fugi da prostituição. Todo pecado que o homem comete é fora do corpo; mas o que se prostitui peca contra o seu próprio corpo” (1 Co 6.18).
Fonte: Lições Bíblicas (Jovens e Adultos)
Editora: CPAD
Trimestre: 4º/2000
Comentarista: Claudionor Corrêa de Andrade
Consultor Doutrinário e Teológico: Antonio Gilberto
Tema Central: NÃO TERÁS OUTROS DEUSES DIANTE DE MIM – Quando a idolatria ameaça a Igreja de Cristo
Páginas: 17 - 21

Esse blog já te ajudou de alguma forma?

Constantemente publicamos estudos bíblicos sobre Personagens Bíblicos, de forma gratuita para seu elevo espíritual. Se em algum momento nosso blog já te ajudou, clique no botão abaixo e faça uma doação de qualquer valor! É simples, rápido e seguro. Através de boleto, transferência bancária ou cartão de crédito. Obrigado!

Nenhum comentário

Postar um comentário

Últimas Postagens

Postagens Aleatórias

Postagens Mais Lidas