Antigo Testamento

Novo Testamento

PERSONAGENS ANÔNIMOS

Artigos E Curiosidades

PAULO: Um Modelo Missionário

terça-feira, 11 de novembro de 2014



INTRODUÇÃO
Paulo, chamado por Deus para ser o apóstolo aos gentios ou povos não judeus, é o que chamaríamos de “ponto de referência por excelência” da atividade missionária registrada para nós no Novo Testamento.

Sabemos que ele foi uma pessoa de atividade intensa e sempre motivada, tanto antes como depois de sua conversão a caminho de Damasco (Atos 9). Suas atividades missionárias contribuíram de forma inigualável para a expansão da Igreja para além das fronteiras limitadas do judaísmo em prol do mundo gentílico. Deste modo, na história da Igreja, ele tornou-se um modelo preeminente de missionário cristão.
  • Uma questão surge: “Paulo elaborou uma estratégia missionária?” A dificuldade em respondermos esta questão é o fato de que vivemos em um tempo antropocêntrico. Pensamos que nada pode ser realizado, até mesmo na obra de Deus, sem ter os comitês, oficinas e conferências. Se olharmos para as atividades missionárias de Paulo como algo deliberadamente formulado e devidamente executado em todos os seus mínimos detalhes sociológicos, antropológicos e logísticos, então somos obrigados a concluir que Paulo não estabeleceu estratégia alguma.
  • Mas se por outro lado, entendermos estratégia como um meio flexível de procedimentos, desenvolvidos sob a orientação soberana do Espírito Santo, então podemos afirmar com toda certeza de que Paulo tinha uma estratégia missionária. E quando olhamos os relatos lucano de suas viagens, podemos perceber vários aspectos desta estratégia.

Concentrou Esforços em Quatro Províncias          
Quando examinamos Romanos 15:18,19 podemos notar dois elementos que resumem o trabalho missionário de Paulo. Primeiro, ele direcionou seu esforço particularmente ao mundo não judaico “para conduzir os gentios ao conhecimento” (v 18). Segundo, ele limitou seu trabalho principalmente à área geográfica do mundo Romano onde outros ainda não haviam atuado. Ele mesmo declara que “desde Jerusalém e circunvizinhanças até ao Ilírico, tenho divulgado o evangelho de Cristo” (v 19). Sua missão se concentra nas quatro províncias mais populosas e prospera – Galácia, Ásia, Macedônia e Acaia. E tanto Paulo quanto Lucas dá mais ênfase às províncias em vez das cidades (Atos 9.31; 15.23; 16.6,9; 1Cor 9.2).  

Escolha Deliberada por Grandes Cidades como Centros Estratégicos
A cidade foi o campo de atuação de Paulo.  Em sua óptica Paulo não se via pregando em todos os lugares, o que seria humana impossível, mas estabelecendo Igrejas em lugares estratégicos, de modo que o Evangelho se espalharia pelas cidades e vilarejos ao derredor. As cidades onde planta Igrejas tinha status na administração Romana, se destacava pela cultura Grega, tinha forte influência Judaica ou tinha importância econômica. Isto não significa que Paulo menosprezou os centros menores ou as regiões rurais. Sua intenção era que a Comunidade pudesse constituir-se em centro luminoso espargindo sua luz ao derredor (Atos 19.10). A própria Igreja em Roma torna-se fundamental para as pretensões missionárias de Paulo que desejava deixar o Oriente e começar trabalho no Oeste (Rom 15.23,24).
 
Iniciava sua Pregação nas Sinagogas   
Paulo seguia o princípio de "primeiro ao Judeu" (Rom. 16:1), assim sua estratégia era alcançar as pessoas da Aliança que freqüentavam a sinagoga (Atos 13.5,14; 14.1; 17.1 2, 10; 18.4, 19) Havia um costume de se convidar um rabino que estivesse de visita para dar uma palavra de exortação (Atos 13:15), assim Paulo aproveitava essa cortesia e a platéias esclarecida. Ali encontrava-se três grupos distintos: Judeus, prosélitos e gentios tementes a Deus. Aqui Paulo sentia-se em casa, pois seus ouvintes tinham um conhecimento do Deus verdadeiro, um conhecimento do Antigo Testamento e uma expectativa da "vinda do Messias”. Somente quando era expulso da sinagoga ele se estabelecia em outro lugar.

Concentrava-se Naqueles Grupos Que Respondiam      
Paulo tinha como seu maior objetivo e responsabilidade anunciar o Evangelho e contribuir com a expansão do Reino de Deus. Ele acreditava que todo grupo étnico tinha o direito de escutar o Evangelho e ele contentemente pregava a eles, mas se determinados ouvintes recusava a mensagem e perseguia o mensageiro, entendia que não haveria razão para continuar a lhes pregar a mensagem. Ele entendia que deveria concentrar seus esforços naqueles grupos que respondiam à sua pregação. Paulo experimenta isto com os Gentios devotos que se constituíram na maioria que respondiam positivamente ao evangelho (Atos 13:43; 14:1; 16:14; 17:4; 18:7), e os Judeus que se opuseram à sua mensagem (Atos 13:45,50; 14:2,19; 17:5; 18:12; 21:27; 23:12). Embora ele os colocasse como prioritários (Atos 13:46), e os amasse profundamente (Rom. 9:2,3), ele não podia comprometer o evangelho. Ele tinha consciência de que seu ministério apostólico requeria fidelidade (1 Cor. 4:2).   

Mantinha Contato com a Igreja Base     
Embora Paulo fosse chamado diretamente por Deus para ser um missionário (Atos 13:2; Atos 9:15; Atos 13:47), ele é confirmado (Atos 13:2,3) e enviado por uma igreja local (Atos 13:3 4). Paulo entendia que o missionário deveria ter uma base forte e ao fim de cada viagem ele sempre voltava a Antioquia para prestar seus relatórios (Atos 14:26 28; 18:22, 23). Para ele a conexão entre as orações da igreja e o sucesso das missões era necessidade vital. Paulo gastava tempo significativo nestas visitas de volta, pois sabia da importância disto. Quando ele estava planejando prosseguir até a Espanha para anunciar lá o evangelho, escreveu uma carta e enviou aos crentes da cidade de Roma para pedir-lhes o apoio ou seja, serem sua nova base (Rom. 15:15 24).    

 Plantava Igrejas                                            
 A meta final de Paulo era estabelecer igrejas locais, fortes; congregações que poderiam se desenvolverem e dar continuidade a tarefa de pregar o Evangelho (1 Cor. 1:2,7; 1 Tes. 1:1,8). Ele ficava o quanto podia e quando líderes locais maduros tinham sido treinados, ele prosseguia adiante, deixando estes líderes com a responsabilidade de pastorearem a comunidade. Estas igrejas plantadas se multiplicavam e formavam novas comunidades e assim o Evangelho se expandia mais rapidamente.    

Trabalhava Sempre em Equipe                     
Paulo em todas as suas viagens missionárias teve companheiros. Barnabé e João Marcos na primeira viagem (Atos 12:25; Atos 13:13), e Silas, depois Lucas e Timóteo na segunda (Atos 15:40). Para ele a pregação do Evangelho exigia um esforço conjugado (1 Tes. 1:1). Paulo sempre se associou ao maior numero de pessoas possíveis, basta observarmos quantos nomes aparecem em suas epístolas (2 Cor. 1:19; 8:23; Col. 4:14; Atos 19:22; Col. 4:7,10; Atos 20:4; Phil. 2:20 22,25; Col. 2:7; Atos 18:2,3; Rom 16). Como vimos acima, Paulo deseja se associar aos crentes em Roma para poder alcançar a Espanha (Rom. 1:11,12) ele sabia que sozinho não conseguiria fazer quase nada, mas juntos os resultados seria incalculavelmente maiores.   
  
Comunicou uma Mensagem Imutável           
Paulo sabia que era um mensageiro escolhido para anunciar uma mensagem de Deus que haveria de afetar toda humanidade (2 Cor. 5:19). A mensagem não era produzida por ele mesmo (1 Tes. 2:13). Ele foi chamado e enviado (1 Cor. 15:14), e a sua própria vida havia sido transformada por esta mensagem que agora pregava com toda a intrepidez e confiança (Atos 9:20,29). A proclamação de Cristo Jesus é o cerne da tarefa missionária (Rom. 10:14 15) e Paulo comunicava Cristo Jesus através de seu estilo de vida, trabalho e atividades. Compare a comunicação de Paulo para com grupos diferentes. Quando pregava aos Judeus, ele se utilizava amplamente das Sagradas Escrituras (AT). Ele começava com seu primórdios históricos e rapidamente continua até chegar na vida de Cristo, o Messias prometido (Atos 13:16 41; Atos 17:2,3). Aos Gentios, Paulo apelava para a obra da criação (Atos 14:14 18), e lições de objeto circunstanciais utilizadas para efetuar uma melhor compreensão do Evangelho (Atos 17:16 23). Note também o testemunho de Paulo em seu discurso de despedida aos anciões de Éfeso (Atos 20:17 38): como ele foi inflexível na declaração de Cristo como o unico Salvador (vs. 20,21,26,27) e como eles deveriam viver o evangelho (vs. 18,19, 24,31,33,34,35).


Rev. Ivan Pereira Guedes
Fonte: www.reflexaobiblica.spaceblog.com.br

Nenhum comentário

Postar um comentário

Últimas Postagens

Postagens Aleatórias

Postagens Mais Lidas