Antigo Testamento

Novo Testamento

PERSONAGENS ANÔNIMOS

Artigos E Curiosidades

Joquebede, Uma Mãe Generosa, Cheia de Fé e Coragem

domingo, 17 de agosto de 2014

Texto: Êxodo 2:1-10
Este é um texto bastante conhecido e fala de uma mulher chamada Joquebede, mãe de Moisés. Seu nome, bem como o de seu esposo, não aparece neste texto, mas os encontramos no capítulo 6:20 deste mesmo livro; ela ficou muito conhecida, famosa na história da Igreja e na história da humanidade, simplesmente por ser mãe. Não teve outro feito em sua vida; não foi uma rainha, uma guerreira, ou qualquer outra coisa. Joquebede foi simplesmente mãe, e neste texto vemos Deus atuando em sua vida de maneira poderosa para desarmar um plano terrível do diabo contra a humanidade.
                       Lemos no v.1 que um descendente da tribo de Levi casou-se com uma descendente da mesma tribo. Eram uma mulher e um homem comuns, da tribo de Levi, descendentes da fé, da Palavra, do judaísmo e viviam até aqui no anonimato. Mas o contexto deste texto nos revela uma estratégia de Satanás contra as famílias, com o objetivo de impedi-las, bem como a seus descendentes, de serem usados por Deus. O cap.1:9-14 (leia), nos revela muitas coisas, mas faremos uma reflexão sobre as três estratégias usadas por Satanás nesta história. Faraó foi aqui usado por Satanás (ele também é símbolo da atuação de Satanás na face da terra), tinha no domínio do seu Império um remanescente do povo de Deus que habitava na terra de Gósen desde que José se tornou governador do Egito (Gn. 47:4), e viu que eles muito prosperavam, cresciam e se multiplicavam; temeroso de que, acontecendo uma guerra se juntassem ao inimigo, astutamente planejou deixar suas vidas muito duras, amargando-lhes o dia-a-dia. Esta foi a primeira estratégia usada.
                        Ainda no cap.1:16, Faraó diz às parteiras dos hebreus:”Quando vocês ajudarem as hebréias a dar à luz, verifiquem se é menino. Se for, matem-no; se for menina, deixem-na viver, mas de um modo natural aos olhos das hebréias. A dura servidão, a tirania que amargava a vida e a morte dos filhos, chegariam para este povo de um modo natural e perderiam sua prosperidade, sua proliferação e conseqüentemente a formação de suas famílias.Esta é a segunda estratégia usada por Satanás.Mas vendo faro que estas estratégias não surtiram, ordenou a todo o seu povo: “Lancem ao Nilo todo menino recém-nascido, mas deixem viver as meninas”.(Ex.1:22). Esta era a situação política, a situação da época em que Joquebede casou-se com Anrão. Três planos do inimigo foram tramados às escondidas ali mesmo onde havia o convívio social, o trabalho, a edificação, o comércio do povo hebreu.Todavia Deus, na sua onisciência, viu e revelou isto na Sua palavra para que Seu povo tomasse conhecimento das armadilhas de Satanás, cuja intenção é tolher a prosperidade deste povo, a geração de filhos e com o objetivo maior de impedir que Deus possa usá-los no amanhã.
                          Será que não vemos isto acontecendo no mundo hoje? Por ventura as pessoas que abandonam seus filhos, ou que desistem de tê-los, não o fazem pela vida lhes ser muito dura, as cargas serem muito pesadas, ou mesmo porque algo lhes aconteceu e está amargando suas vidas? Acaso aquelas que, com ousadia, resolvem participar do plano de Deus de formar a família não vêem seus filhos serem arrancados do convívio familiar? E parece que tudo acontece de uma forma natural. Na verdade, há um plano diabólico a respeito deles. Podemos ver como é grande o investimento, o incentivo do mundo em forma de prazer, de entretenimento, de alegria para tirar-nos os filhos como conseqüência, termos uma juventude morrendo cedo nas drogas, na violência, no trânsito. Corremos o risco de acharmos que isto é até natural, já que acontece em quase todos os lares, em todos os países e em todas as culturas. E por não conhecermos estas estratégias é que muitas vezes aceitamos a vida dura, amarga, difícil, como natural e vamos nos adequando, nos adaptando à ela, nos esquecendo que a vontade de Deus é outra. Por fim, a situação vai ficando tão complicada que o v.22 nos mostra que “todos na face da terra estavam imbuídos do mesmo objetivo – afogar os filhos de Deus, para não deixá-los crescer, não deixá-los prosperar”.
                          Na vida de Joquebede encontramos três respostas de Deus para contra-atacar, para destruir essas três ofensivas de Satanás. Esta não é a primeira vez que Deus usa a coragem, o amor, o poder de uma mãe para colocar os seus planos em evidência na face da terra. Aconteceu com Sara, aconteceu com Sara, Raquel, Ana, Maria, Isabel, Eunice, que foram mulheres que viveram situações difíceis e em épocas terríveis, mas não abriram mão da maravilha operada por Deus de ser mãe. Curvaram-se diante da sua vontade, não se importando com as conseqüências do fato. Para a primeira ofensiva de Satanás colocando na vida dos hebreus dureza, opressão, dificuldades, cruel escravidão, para desviá-los do projeto de Deus em usá-los, Joquebede contra-ataca aceitando corajosamente a maternidade, submetendo-se à vontade de Deus numa circunstância tão adversa. Esta sua atitude nos mostra que, por mais que amemo-nos, que valorizemo-nos, jamais seremos capazes de traçar um caminho melhor do que aquele que Deus tem para nossa vida. O inimigo sabe disto, sabe da bondade de Deus, de seus planos e como quer o bem de seu povo na terra. Mas parece que, como povo de Deus, não sabemos disto. Achamos que se formos corajosos, temermos a Deus e assumirmos a Sua vontade, poderemos nos decepcionar no amanhã.
                          Para a segunda ofensiva de Satanás, Joquebede contra-ataca com a confiança em Deus. Quando o inimigo colocou sobre os hebreus chefes de trabalhos forçados para oprimi-los com tarefas pesadas tornando-lhes a vida amarga, concluiu que nenhum deles assumiria a posição de gerar filhos para aquela escravidão. Contudo Deus contava com a coragem e a determinação de uma mãe. Na sua segunda ofensiva, o inimigo mandou que as parteiras matassem os meninos; concluiu que se ele que era o Faraó, um deus na terra, mandasse matar, quem poderia mandar viver? Mas mesmo diante desta ordem, as próprias parteiras temeram a Deus e não obedeceram a Faraó, deixando viver os meninos; Quando foram chamadas a darem uma explicação disseram: “as mulheres hebréias são vivas e já têm dado à luz os filhos antes que a parteira venha a elas” (v.19). O v.21 diz: ”Visto que as parteiras temeram a Deus, ele concedeu-lhes que tivessem suas próprias famílias”. Isto nos mostra que, nunca teremos de Deus aquilo que tiramos dos outros. Joquebede poderia ter concluído que a procriação não era vontade do Senhor, visto que as portas estavam todas fechadas. Mas a Bíblia fala que o amanhã não nos pertence (PV. 27:1) e qual é a mãe que quando gera um filho sabe como ele será aos trinta anos? Todos nascem puros, divinos, perfeitos e enchem o coração da família de alegria, de gozo, mas depois de trinta anos como estarão? É nesta hora que Deus nos chama a confiar. Joquebede não teve medo de confiar; sabia que Deus tem suas múltiplas maneiras de agir e quando não pôde mais esconder seu filho, pegou um cesto feito com junco e o vedou com piche e betume. Colocou nele o menino e deixou o cesto entre os juncos, à margem do Nilo (cap. 2:3).
                           Se reconhecermos que não podemos com o inimigo, que ele é forte e pode nos roubar, que a nossa força de mãe não é suficiente para vencê-lo e confiar em Deus, então Deus cuidará! Os filhos são herança do Senhor (Sl. 127:3) e estão em nossa vida por um tempo. Segue a história nos VV.4-6 do cap. 2 (leia) e logo em seguida vemos que para a astúcia do inimigo, existe uma sabedoria divina (leia VV.7-9). Joquebede pôde então educar o filho nos caminhos do Senhor. Sabia que seu filho era do Senhor e que Ele cuida dos seus. Quem diria que esta história caminharia assim?Se afirmarmos como Josué: “Eu e minha casa serviremos ao Senhor” (Js. 24:15), é o Senhor quem cuidará de nós e da nossa casa. Não podemos ter medo de confiar, pois Ele pode mudar qualquer situação!
                           Para a terceira estratégia de Satanás que foi “onde todos do Egito encontrar um filho das hebréias, matem-o”, temos a resposta divina: ”Se Eu estou no comando, deixe-o ir”. Joquebede criou, orientou, passou para o coração do menino tudo aquilo que estava em seu coração de mãe; passou a sua fé, a sua confiança, o seu Deus, o seu sonho, a sua Pátria, o seu culto, os seus sentimentos e depois de ter recebido todo este tesouro da mãe, o menino foi levado para a filha do Faraó (v.10). Aqui fica uma pergunta: De quem Moisés foi filho? Ficou até aos quarenta anos no Egito (At. 7:22-23) e se ele para lá foi levado aos dez anos, trinta anos mudaria a sua formação. Mas a Bíblia nos ensina: “Instrua a criança segundo os objetivos que você tem para ela, e mesmo com o passar dos anos não se desviará deles” (PV. 22:6) (NVI).
                           Se não prepararmos a nossa vida e a vida dos nossos, não temos como escondê-los das investidas de Satanás. Antes havia o perigo de deixá-los irem para o mundo; hoje o mundo está em todo lugar e também dentro de casa (na televisão, no computador, na internet...). Onde é possível viver fora do ataque “de Faraó”? Nossos filhos poderão ser envenenados e mortos debaixo dos nossos olhos quando na companhia de um computador e uma TV. Imaginem se estiverem pelas ruas... Temos que fazer como Joquebede – colocar o Senhor, a nossa fé, os nossos sonhos, a nossa ousadia no coração dos nossos filhos e depois podemos soltá-los no mundo porque se eles são de Deus, a Palavra nos afirma: “as portas do inferno não prevalecerão contra minha Igreja” (Mt. 16:18). Depois que o Senhor entrar no coração de alguém, ali reinar e assumir o controle da vida, não há motivo para temer. Se “escondermos” nossos filhos debaixo das mãos de Deus e o Espírito Santo estiver em seus corações, não se perderão. Joquebede sabia da orgia, da violência e de tudo que era o Egito naquela época. Havia uma cultura para influenciar e matar a vida de qualquer um, mas vemos Moisés, depois de quarenta anos, rejeitando o luxo, a pompa, a ostentação que o Egito lhe oferecia e escolhendo servir entre o seu povo. Quem inculcou isto nele? Joquebede, simplesmente uma mãe, que não teve medo de confiar e quando chegou a hora, não teve medo de deixá-lo ir. Exatamente com Moisés se cumpriu aquilo que o inimigo temia – “pode ser que os filhos delas venham guerrear contra mim”. Moisés se apresentou a Faraó e disse-lhe: “O Deus de Israel, o grande EU SOU, me enviou e vou tirar o Seu povo daqui para servi-Lo no deserto” (Êxodo cap.5 a seguir). Joquebede ficou conhecida por causa de Moisés, simplesmente por ser mãe. Seu filho nasceu, foi educado e confiado na vontade divina. Estas são as três respostas de Deus para vencer as armadilhas de Satanás que tem dizimado milhares de vidas. 

OBS: Texto baseado na mensagem proferida pelo Pastor Luiz Carlos Gomes e redigido por Tânia Sueli Lemos da Silva
Fonte: www.igrejamanancial.org.br 

Nenhum comentário

Postar um comentário

Últimas Postagens

Postagens Aleatórias

Postagens Mais Lidas