Antigo Testamento

Novo Testamento

PERSONAGENS ANÔNIMOS

Artigos E Curiosidades

ELI, UM LÍDER REPROVADO POR DEUS

terça-feira, 19 de agosto de 2014



Deveríamos estar dispostos a verificar constantemente a temperatura espiritual das pessoas pelas quais somos responsáveis, em especial pelos nossos filhos.” (J. Otis Ledbetter)

Texto Básico: 1Samuel 1 a 4

Lemos em 1Timóteo 5.8: “Se alguém não cuida de seus parentes, e especialmente dos da sua própria família, negou a fé e é pior que um descrente”. Muitos são os textos bíblicos que nos alertam para o cuidado que devemos dispensar aos da nossa família. Para os líderes espirituais, o cuidado e a espiritualidade no lar fazem parte de um bom perfil para o exercício do ministério (1Tm 3; Tt 1).

E exemplo de Eli nos leva a pensar sobre a responsabilidade espiritual que os pais devem exercer sobre os filhos. Em nossos dias muitos pais cristãos estão negligenciando ou delegando a terceiros a formação religiosa dos filhos. Cristãos dedicados e bem intencionados no exercício ministerial, mas que estão correndo o risco de serem reprovados por Deus quanto à responsabilidade dentro de casa. Olham apenas para os de fora!
   Augustus Nicodemus Lopes fez a seguinte declaração: [1]“Nada é mais importante para a formação de famílias e igrejas fortes que a criação adequada dos filhos. Como é importante que saibamos criar os filhos na disciplina e admoestação do Senhor!”

QUEM FOI ELI

Eli (Deus é exaltado) foi sumo sacerdote em Siló e o 14° juiz sobre Israel. [2]“Eli teria sido o primeiro sumo sacerdote da linhagem de Itamar, o filho mais novo de Arão”.  Viveu por volta de 1.100 a.C. Nada sabemos sobre sua esposa. Eli tinha dois filhos, Hofni e Finéias (2.34). Eles eram ímpios, adúlteros, desobedientes e irresponsáveis. Eli não conseguiu impedir que seus filhos blasfemassem contra o Senhor. Eles tornaram-se culpados de imoralidade e sacrilégio. Eli foi o grande mentor do profeta Samuel (2.11), que ainda menino foi chamado por Deus para proferir a condenação da casa de Eli, que seria retirado do oficio sumo sacerdotal (3.11-14). Aos noventa e oito anos de idade, cego e pesado, foi informado por um benjamita da morte de seus filhos e que a arca de Deus havia sido tomada pelos filisteus. Eli caiu da cadeira para trás, quebrou o pescoço e morreu (4.18). Ele Julgou Israel por quarenta anos (1115-1075).

Quem não se preocupa em identificar os erros registrados na história corre o risco de repeti-los. A escola bíblica dominical é um espaço aberto à disciplina formativa para todas as áreas da vida. Na lição de hoje vamos à busca de algumas lições baseadas na vida familiar de Eli:

1. UMA FAMÍLIA NÃO AGRADA A DEUS APENAS PELA TRADIÇÃO

Os filhos de Eli cresceram em meio às atividades do santuário do Senhor. Conheciam cada detalhe e sabiam que no futuro estariam assumindo as funções do pai. Só que o mais importante eles desconheciam, o caráter de Deus e suas exigências. Eles eram ímpios e por isso foram reprovados.
“Filho de peixe, peixinho é. Mas filho de crente, crentinho não é”! Essa é uma afirmação “engraçadinha” e real. Deus não aprova uma pessoa por sua tradição familiar. [3]“Aquele que pecar, esse morrerá; o filho não levará a culpa do pai, nem o pai levará a culpa do filho. A justiça do justo estará sobre ele, e a impiedade do ímpio cairá sobre ele”.
   Eli falhou ao achar que as coisas se ajeitariam automaticamente. Não podemos dizer que ele foi totalmente negligente, mas certamente cometeu o erro de não comunicar aos seus filhos as verdades espirituais que conhecia. Mesmo que seus filhos se encaixassem no perfil dos filhos que não ouvem os conselhos dos pais, não podemos isentá-lo totalmente de culpa.
   Devemos lembrar que a tradição foi um dos empecilhos do jovem rico que virou as costas para Jesus. Ele achava que sabia tudo, mas desconhecia o principal, e por isso não teve forças para seguir o nosso Mestre (Lucas 18). Mais do que o ambiente eclesiástico, nossos filhos precisam conhecer o Senhor da igreja e seus princípios revelados na Bíblia Sagrada.

2. É PRECISO INVESTIR TEMPO NA FORMAÇÃO ESPIRITUAL DOS FILHOS

A tarefa mais importante que os pais que já tiveram um encontro genuíno com Deus têm nesta vida é guiar seus filhos até Deus. É muito mais importante do que educá-los para o mundo. Veja o exemplo de Jó (Cap.1). A Bíblia recomenda aos pais a, antes de tudo, [4]criar os filhos na disciplina e instrução do Senhor”. E para isso devem os pais investir tempo nesta indispensável tarefa. Em Deuteronômio 6.7 encontramos um importante ensino sobre quando os filhos devem ser ensinados:
·         Sentado em casa;
·         Andando pelo caminho;
·         Ao deitar-te e ao levantar-te.
   Infelizmente não faltam ladrões do tempo dos pais e dos filhos em nossos dias.
   A educação secular e o ensino religioso devem caminhar de mãos dadas. Caso os pais cristãos não compartilhem as verdades acerca de Deus com os filhos, eles serão presas fáceis para as filosofias que hoje têm ocupado as mentes dominantes na mídia, nas escolas e nas universidades. Quase todos os pais cristãos conhecem Provérbios 22.6, mas poucos procuram viver o que diz esse texto. [5]Augustus Nicodemos Lopes afirmou que “o maior legado que os pais podem deixar aos filhos é o conhecimento e o temor de Deus”.
   No livro Sua Herança, [6]J. Otis Ledbetter afirma que “um bom legado espiritual nos dá um fundamento para compreendermos e respondermos à obra de Deus em nossa vida. Ao contrário, um mal legado espiritual limitará a nossa habilidade de reagirmos a esse aspecto vital da existência”. Temos a seguir uma lista, que obviamente não é completa, com alguns dos principais indicadores de legado na dimensão espiritual.

Um forte legado espiritual...
·         Reconhece e reforça as atividades espirituais;
·         Considera Deus como um ser pessoal e amoroso, que deve ser amado e respeitado;
·         Transforma as atividades espirituais rotineiras em um aspecto da vida (frequentar a igreja, orar, ler a Escritura, etc.);
·         Fala sobre questões espirituais como sendo meios de reforçar os compromissos espirituais;
·         Esclarece verdades eternas, discernindo o certo do errado;
·         Incorpora os princípios espirituais no viver cotidiano.

Um fraco legado espiritual...
·         Arruína ou ignora as realidades espirituais;
·         Representa Deus como um ser impessoal, que deve ser ignorado ou temido;
·         Nunca ou raramente participa das atividades espirituais;
·         Tem poucas discussões espirituais de natureza construtiva;
·         Confunde os absolutos e sustenta o relativismo;
·         Separa os princípios espirituais dos práticos.

3. ELI SE ACOMODOU A UMA VIDA DUPLA

   Eli se acostumou a uma tragédia muito comum em nossos dias. Fora de casa um homem bem-sucedido. Dentro de casa um pai rejeitado, omisso e incapaz de colocar as coisas no seu devido lugar. Suas técnicas funcionaram com Samuel, mas não funcionaram com os da sua própria casa. Os de fora o ouviam, já os de casa... O que será que aconteceu? Por quê? Jamais saberemos!
   Não podemos nos acostumar a viver uma vida fora e outra dentro da igreja. Precisamos ser íntegros, mostrando transparência em nossos relacionamentos. Os pais ensinam mais com o exemplo do que com as palavras. Um filho valoriza mais o que vê do que o que ouve.
   Quando as coisas não vão bem, não podemos fingir que estão bem. Talvez seja hora de pedir ajuda. Mas infelizmente em algumas famílias cristãs são comuns os comentários depreciativos sobre a igreja e sua liderança. [7]“Preserve a imagem da igreja e de seus oficiais junto aos seus filhos. Um dia você poderá precisar deles para ajudá-lo com seus filhos”.


PARA PENSAR E AGIR

   Eli perdeu o que ele tinha de mais importante: a aprovação de Deus e sua família. Vimos em nosso estudo de hoje que uma vida que tinha tudo para dar certo terminou de forma trágica.
   Aquilo que fazemos dentro de nosso lar está diretamente ligado à forma como Deus e as pessoas nos olharão. Uma pessoa que falha com os da sua própria família, deixando de honrar a quem merece honra, pouco conseguirá do lado de fora. Uma pessoa que não se preocupa com a qualidade espiritual dos que estão dentro de sua própria casa terá a sua credibilidade na igreja abalada.
Se Deus cobrará de nós as almas que estão distantes, quanto mais as que estão dentro de nossas casas.

PERGUNTAS PARA DISCUSSÃO EM CLASSE

1. Como os pais cristãos estão tratando a espiritualidade dos filhos em nossos dias?

2. É comum encontrarmos pessoas como Eli, que tinha um importante cargo na igreja e uma família destruída pelo pecado e pela falta de respeito?


[1]Lopes. Augustus Nicodemus. A Bíblia e sua família. Editora Cultura Cristã. São Paulo, 2007. 
[2]Champlin, R. N. Enciclopédia de Bíblia Teologia e Filosofia. Candeia. São Paulo, 1991.
[3]Ez 18.20.
[4]Ef 6.4.
[5]Lopes. Augustus Nicodemus. A Bíblia e sua família. Editora Cultura Cristã. São Paulo, 2007. 
6Ledbetter, J. Otis. Sua herança. Textus. Rio de Janeiro; 2002.

[7]Coelho Filho, Isaltino Gomes. Família – vale a pena acreditar. Editora Sabre. Rio de Janeiro. 2012.  


Fonte: www.batistafluminense.org.br

Nenhum comentário

Postar um comentário

Últimas Postagens

Postagens Aleatórias

Postagens Mais Lidas