Antigo Testamento

Novo Testamento

PERSONAGENS ANÔNIMOS

Artigos E Curiosidades

Ananias e Safira, o perigo da mentira

quinta-feira, 14 de agosto de 2014

(At 5:1-11)

Como se fosse preciso restringir o retrato quase perfeito da igreja que se vê em 4:32-37, logo a igreja iria descobrir dolorosamente que o pecado poderia penetrar naquela comunidade. Visto que a história enquadrava-se bem em seu tema, constituindo assunto de seu interesse pessoal, Lucas decidiu mencionar algo que poderia ter sido, talvez, exemplo bem notório e primitivo de pecado relacionado ao fundo monetário comum. Ehrhardt vê essa história de Ananias e Safira como um caso de teste para a questão de se um rico poderia salvar-se — assunto importante para a igreja dos dias de Lucas — e a resposta de Lucas a essa questão (v. 4), que as riquezas em si mesmas não são más, mas constituem dolorosa tentação para o crente (p. 22). Assim é que esta história ilustra o "perigo mortal sempre presente no amor do mundo, que se cria mediante a posse de riquezas" (S. Brown, p. 107).

5:1-2 / Dois membros da comunidade, certo homem chamado Ananias, com Safira, sua mulher (v. 1), conspiraram para enganar seus irmãos e companheiros. À semelhança de Barnabé (4:36s.), venderam um terreno, mas diferentemente deste, retiveram parte dos proventos antes de entregá-los aos apóstolos. O verbo "reteve" (gr. nosphizein, que ocorre aqui e no v. 3, e novamente no Novo Testamento somente em Tt 2:10), é empregado na LXX, na história de Acã, que "reteve" uma parte do saque de Jericó, que havia sido oferecido a Deus (Js 7:1). A raridade do emprego dessa palavra no Novo Testamento sugere que Lucas de modo deliberado escolheu-a a pariu dessa passagem do Antigo Testamento, a fim de salientar a comparação a seus leitores.

5:3-4 / Não somos informados sobre a maneira pela qual Pedro tomou conhecimento do que fez aquele casal. Pode ter havido um informante, ou Pedro teria recebido o dom do agudo discernimento. Fosse como fosse, Pedro confrontou Ananias com a mentira. A pergunta: por que encheu Satanás, no grego, (v. 3) implica em que o fato não precisava ter acontecido — que Ananias tinha a capacidade de escolha, que poderia ter evitar o pecado. A redação encerra uma expressão no v. 4 (lit., "formaste este desígnio em teu coração, uma frase tipicamente hebraica) demonstra que o pecado surgiu após longa e cuidadosa deliberação. Na verdade, a referência ao fato de Satanás haver entrado no controle de seu coração (lit., Satanás havia "enchido seu coração") pode até sugerir que aquela mentira se tornara uma espécie de obsessão para Ananias. À semelhança de qualquer pecado, esse de Ananias e Safira sensibilizou a Deus mais do que a qualquer outra pessoa: haviam mentido essencialmente ao Espírito Santo (v. 3), isto é, ao próprio Deus (v. 4). A negativa do v. 4 não significa que o casal não havia mentido às pessoas, mas intenciona enfatizar o aspecto mais sério do que os dois fizeram.

Parte da tragédia de seu pecado estava na tolice. Guardando-a não ficava para ti? Pergunta-lhe Pedro. E, vendida, não estava em teu poder? (v. 4). O casal não fora constrangido a vender a propriedade. Ninguém era obrigado a contribuir para o fundo de socorro, menos ainda dar tudo quanto possuísse. Não importava o que era dado, nem quanto era dado, mas o espírito em que a dádiva era feita, e foi nisto que Ananias e Safira erraram. Desejavam parecer mais generosos do que na verdade eram, e ao mesmo tempo ficar numa situação melhor do que aparente­mente estavam (será que planejavam agora recorrer ao fundo, como necessitados?), e talvez não houvessem retido uma grande fatia, visto que a disparidade entre o que estavam oferecendo e a importância (conhecida?) pela qual haviam vendido o terreno tornar-se-ia aparente demais. Considerando-se bem os fatos, o casal pagou um preço dema­siado elevado pela ninharia que esperavam reter e lucrar.

5:5 / Diante da exposição de sua culpa pelo apóstolo Pedro, Ananias caiu e expirou. Sem dúvida alguma, Lucas viu aqui um milagre. Entretanto, é como milagre que o fato apresenta a maior dificuldade para o espírito moderno. É que fica implícita aqui a manipulação do Espírito de Deus pelo apóstolo. É evidente que esse incidente pertence a uma era que não se tinha nenhum conhecimento de causas secundárias, onde se procura explicações sobrenaturais para quaisquer eventos que aturdis­sem a compreensão lógica. Com base nisto, tem sido dito que a morte de Ananias foi ocorrência normal, obra do acaso, e que esta história não passa de lenda que se criou na tentativa de explicar a morte do homem. A sugestão de que Ananias teria morrido de choque causado pela descoberta de sua mentira talvez esteja mais perto da verdade. Levando-se ainda em conta que aquela era uma sociedade em que se cria conscientemente que "horrenda coisa é cair nas mãos do Deus vivo" (Hb 10:31), e que, até o momento em que Pedro lhe falou, talvez Ananias não houvesse percebido a hediondez total do que havia feito. Todavia, a narrativa assim como a temos contém todas as marcas de uma tradição primitiva, de uma história relatada com simplicidade, uma crônica de fatos crus, sem a inclusão das razões motivadoras—nada explica a morte de Safira, que Pedro anuncia de antemão. Além do mais, embora possam ter sido os primeiros pecadores, dificilmente teriam sido os únicos a serem levados perante o público; no entanto, o que lhes aconteceu aparentemente foi algo excepcional. É possível, então, que Lucas esti­vesse certo (como supomos que realmente estava) em ver o sobrenatural nesses eventos — ali estava um milagre de julgamento divino que, não sendo inferior aos milagres de cura, constituiu um sinal de que o reino de Deus havia chegado. É que o Deus desse reino decidiu julgar o pecado. E Deus o fez na cruz; ele o fará no último dia; e ele o faz agora, entre seu próprio povo. Grande temor caiu sobre todos os que isto ouviram. O texto grego seria mais bem tradu­zido assim: "todos os que estavam ouvindo estas coisas", visto que a referência aqui parece dirigir-se às pessoas presentes, como sendo dife­rentes das do v. 11. O ambiente pode ter sido um "culto" na igreja.

5:6 / Tão logo havia Ananias morrido, levantaram-se os jovens, cobriram o corpo, e, transportando-o para fora, o sepultaram. Não somos informados se houve alguma tentativa de entrar em contato com Safira. É possível que a casa deles ficasse na zona rural, de difícil acesso; seria impossível chegar lá depressa. Ainda assim, parece-nos que houve precipitação no enterro do marido, sem que a esposa soubesse de sua morte. O costume era enterrar os mortos depressa — mas, não tão depressa assim e, em geral, só depois de decorrido algum tempo sufi­ciente para se ter certeza de que a morte ocorrera mesmo (cp. 9:37). Entretanto, havia exceções à regra segundo a qual se permitia que os cadáveres fossem mantidos insepultos durante algum tempo; no caso presente, se a igreja cresse que a morte fora causada por um ato de julgamento divino, os crentes teriam achado que as formalidades costu­meiras poderiam ser dispensadas. Outra explicação seria que naquela época, em Jerusalém, havia uma lei segundo a qual um cadáver não podia ser sepultado no dia seguinte ao da morte. Isto poderia explicar a declaração: e, transportando-o para fora. Se o corpo precisasse ser removido, um túmulo seria um bom lugar onde colocá-lo, tão bom como outro qualquer. Ananias não teria sido sepultado (e o sepultaram), segundo se procede num sepultamento hoje, a terra cobrindo o caixão onde jaz o cadáver, mas este era colocado numa sepultura cavada numa pedra, muitas das quais deste período, têm sido encontradas fora das muralhas de Jerusalém (não, porém, no lado oeste, de onde sopravam os constantes ventos!). Poucos preparativos se exigiam para um enterro dessa natureza, presumindo-se que havia um túmulo disponível. Uma pedra fechava o túmulo. Não há necessidade de interpretarmos a expres­são os jovens como uma ordem oficial da igreja, embora a distinção natural entre eles e os anciãos pode ter formado a base para outros ministérios (cp. 1 Tm 5:1; Tt 2:1-6; 1 Pe 5:5; 1 Clemente 1:3; 3:3; 21:6; Policarpo, Filipenses 5.3). Eram apenas "os jovens". A palavra traduzida por cobriram não é a usual para preparar um cadáver, vestindo-o com roupas apropriadas, talvez porque tais roupas não estivessem disponíveis e não havia tempo para obtê-las. Há outra alternativa: esse verbo poderia ter sido traduzido por "ajuntaram", ou seja, ajeitaram-lhe braços e pernas para que o cadáver fosse carregado com maior facilidade até a sepultura.

5:7-10 / Cerca de três horas mais tarde — não ficou claro se este cálculo foi feito a partir da morte ou do enterro, mas pode indicar a aproximação da hora de oração — entrou também sua mulher, Safira (v. 7). Não se esclarece onde isto aconteceu. Ficou bem entendido que o horror do pecado, sublinhado pelo que havia acontecido, tomara a mente de Pedro. Portanto, não com falta de caridade, mas cheio do espírito da seriedade da questão, o apóstolo foi direto ao assunto, sem mencionar de imediato a morte de Ananias. Pedro deu a Safira aoportunidade de retraçar seu caminho mentiroso; todavia quando ela persistiu na mentira (ou teria o apóstolo mencionado o valor real da venda, e isto foi a confissão de culpa de Safira?), Pedro declarou que o casal havia pecado contra o Espírito do Senhor, ao procurar testar se Pedro de fato sabia de todas as coisas (cp. 1:24; 15:10; Êx 17:2, 7; Dt 6:16; Sl 78:41, 56; etc.) —a pergunta retórica equivale a uma afirmação. Ambos foram condenados, e Pedro anuncia o destino de Safira. Agora Pedro sabe o que acontecerá a ela. Na verdade, esta foi uma sentença de morte que ela ouviu e, de pronto, caiu aos seus pés, e expirou (v. 10). Novamente podemos procurar uma causa secundária, como o choque de ver-se descoberta e sob uma maldição. Entretanto, não se pode excluir a mão de Deus na direção destes fatos. O Senhor havia interferido a fim de esconjurar um perigo que ameaçava a igreja. O cadáver de Safira foi carregado pelos mesmos jovens que haviam sepultado seu marido, ao lado de quem foi colocado. O nome Safira, em grego e em aramaico, foi encontrado num ossuário em Jerusalém, em 1923. É evidente que não existem provas de que se trata dos restos mortais dessa mulher.

Persiste a pergunta: Por que esse casal? Por que esses dois em particular deveriam sofrer a penalidade máxima? Pode ser útil traçar uma analogia entre o que aconteceu a eles, e a penalidade infligida a Nadabe e Abiú, nos primeiros dias do sacerdócio israelita. Aqueles dois haviam-se aproximado de Deus com o espírito errado e por esta razão morreram, pois o Senhor adverte aos que o servem que precisam atentar para a santidade de Deus (Lv 10:3). Da mesma maneira, Ananias e Safira sofreram as consequências de tratar a santidade de Deus com pouco caso (cp. Jd 11). Observe que na história de Nadabe e Abiú, Arão e sua família foram proibidos de chorar a morte daqueles a quem Deus havia punido. É possível que este acontecimento tenha algum relacionamento com a passagem que temos à nossa frente. Nos primeiros dias da igreja, era preciso que se aprendesse a lição de que o pecado entre os santos não é uma questão à toa, destituída de importância. Aqui estava um pecado que Jesus havia condenado com frequência, pois aquela hipocrisia era da pior espécie. Haviam procurado ganhar excelente reputação de pie­dade e boas obras mediante fraude. A partir do momento em que esse espírito maléfico estabelece raízes numa comunidade, chega ao fim a verdadeira fraternidade. Então, como é que os homens podem falar a verdade uns com os outros, a menos que haja sinceridade no amor (Rm 12:9)?

5:11 / A morte de Ananias e Safira produziu profunda impressão tanto na igreja quanto na comunidade ao redor. Precisamos dar às palavras grande temor toda a força que possuem, não importando que a referên­cia a temor fosse uma característica própria das histórias de milagres (cp. v. 5;). Ao encerrar a história, Lucas usa a palavra igreja pela primeira vez em Atos. Quer os próprios cristãos estivessem usando essa palavra nessa época, quer não, Lucas poderia ter objetivado que nós compreendêssemos, mediante tal palavra, que havia uma cres­cente consciência entre os crentes quanto ao papel que deveriam desempenhar como povo de Deus. Ekklesia, "igreja", é uma de duas palavras empregadas na LXX para designar a congregação de Israel. Desde que a outra palavra, synagoge, viera a ser empregada mais e mais pelos judeus, tanto para designar suas reuniões como o lugar em que se encontravam, os crentes decidiram descrever-se a si próprios como a ekklesia.

Notas Adicionais

5:1 / Certo homem chamado Ananias, com Safira, sua mulher: Seriam eles cristãos? Não se pode dar uma resposta certa, mas os seguintes pontos devem ser observados: primeiro, Atos 4:32 indica que todos os que estavam engajados na comunidade dos bens eram crentes; segundo, a maior parte das referências neotestamentárias às atividades de Satanás relacionava-se de prefe­rência aos crentes, em vez de aos incrédulos (p.e., Mateus 16:21-23; Lucas 22:3; João 13:2, 27; 1 Coríntios 7:5; Efésios 4:27; 1 Pedro 5:8s.; também 1 Crônicas 21:1); e terceiro, os crentes são susceptíveis de mentir (Colossenses 3:9), de entristecer "o Espírito Santo de Deus", e de extinguir "o Espírito" em suas vidas (Efésios 4:30; 1 Tessalonicenses 5:19). Se Ananias e Safira estavam entre os crentes, o que lhes aconteceu pode comparar-se ao que ocorreu em 1 Coríntios 5:5 e 11:30. Teriam esses crentes sido disciplinados sem sofrer a perdição eterna? Paulo descreve em 1 Coríntios 3:12-15 os crentes cujas obras não conseguirão passar incólumes pelo tribunal celeste, embora sejam eles salvos "todavia como pelo fogo". Talvez essa declaração fosse comprovada de modo bastante apropriado por aqueles dois casos, e pelo de Ananias e Safira em particular.

5:3 / A natureza premeditada da fraude perpetrada por Ananias e Safira, numa situação em que ambos deviam ter muita consciência do que faziam (cp. Romanos 2:17ss.), pode explicar de modo suficiente o tratamento bem diferente que lhes foi infligido, em comparação com o tratamento dispensado a Simão o mago, em 8:20-23. A Simão foi dada a oportunidade de arrependimento, e de oração pedindo perdão.

5:6 / Quanto à remoção de cadáveres em Jerusalém, veja A. Guttmann, HebrewUnion College Annual, 1969-70, pp. 251-75.


Bibliografia D. J. Williams
Fonte: www.ebdareiabranca.com/

Nenhum comentário

Postar um comentário

Últimas Postagens

Postagens Aleatórias

Postagens Mais Lidas